7 filmes clássicos e contemporâneos sobre o mundo organizacional

Opinião
25 de maio de 2017

Por Fellipe Freitas*

O cinema é uma janela de conhecimento. Costuma retratar o ser humano sob múltiplos aspectos. E o mundo do trabalho é uma das perspectivas usadas com frequência para contar histórias. Seja em comédias, dramas, comerciais ou independentes, são diversas as abordagens.

Como tema central, ponto de partida ou meio para alcançar um objetivo, a relação dos personagens com o trabalho também é protagonista do enredo. A função que exercem ou o talento para alguma profissão são muito usados por roteiristas para delinearem características e construírem personalidades. Trata-se, de fato, de algo que diz muito sobre alguém, na vida real ou na ficção.

Seleciono aqui 7 títulos que mostram diferentes visões do contexto organizacional, da liderança, das dinâmicas de mercado, dos caminhos profissionais possíveis. Não quer dizer que endosso ou concordo com todas, mas certamente são títulos capazes de unir um momento de entretenimento a uma oportunidade de conhecimento e reflexão sobre a própria condição humana. Vamos lá.

1. Ladrões de bicicleta (Itália, 1948, Drama): Uma obra magnífica dirigida por Vittorio De Sica retrata a jornada de Antonio Ricci (Lamberto Maggiorani) para conseguir trabalho em uma Europa arrasada após a Segunda Guerra. Quando finalmente consegue um emprego de colador de cartazes, tem a bicicleta roubada. Então parte junto com o filho pequeno em uma busca para recuperá-la. Emocionante, delicado, uma obra de arte do cinema.

2. A montanha dos sete abutres (EUA, 1951, Noir): Do diretor Billy Wilder, conta a história do repórter Chuck Tatum (Kirk Douglas), que roda o país pulando de emprego em emprego. Quando começa a trabalhar em um pequeno jornal local não fica muito empolgado, mas uma catástrofe com enorme potencial noticioso é a chance de ele finalmente ver seu nome aparecer e assim alcançar suas ambições profissionais.

3. Uma secretária de futuro (EUA, 1988, Romance): Este filme marcou uma época em que as mulheres estavam conquistando cada vez mais espaço nas grandes empresas e tornou-se uma inspiração para as jovens. Trata de competição, assédio e conquistas profissionais em uma história protagonizada por um time de estrelas de Hollywood formado por Melanie Griffith, Harrison Ford e Sigourney Weaver.

4. A garota da fábrica de fósforos (Suécia/Finlândia, 1990, Drama/Comédia): Uma história sombria sobre a vida de uma jovem que tem uma rotina monótona e frustrante trabalhando em uma fábrica de fósforos. O quadro piora devido a uma série de abusos emocionais que sofre dos pais e do pretendente. Mas ela encontra uma solução, pouco ortodoxa, para resolver todo esse drama.

5. A partida (Japão, 2008, Romance): Como em muitos filmes japoneses, a contemplação da vida e da morte, o lirismo, as contradições entre tradição e modernidade estão todos presentes. A história coloca a questão do trabalho como foco na busca por sentido, identidade, superação de crises em um país que valoriza de forma muito peculiar o papel do cidadão na construção e manutenção de uma sociedade tão característica como é a japonesa.

6. Trabalhar cansa (Brasil, 2011, Drama/Terror): Crítico e sarcástico às dinâmicas do modelo de trabalho mais tradicional, traz elementos fantásticos e de terror para contar a história. O marido acabou de ser demitido e a esposa prepara-se para entrar no mundo do empreendedorismo ao adquirir um supermercado da vizinhança. Os papéis de repente invertem-se, fatos estranhos começam a fazer parte da rotina e os desafios tomam proporções surreais.

7. Dois dias, uma noite (França, 2014, Drama): A vencedora do Oscar Marion Cotillard interpreta a personagem que, após apresentar um quadro de depressão, afasta-se do trabalho e, ao retornar, descobre que seus colegas aceitaram receber um bônus em troca de sua posição na empresa. Além de lidar com questões de saúde, agora ela tem a missão de fazê-los mudar de ideia em apenas um final de semana.

BÔNUS

Se meu apartamento falasse (EUA, 1960, Comédia): Mais uma dica assinada pelo diretor Billy Wilder, está constantemente na lista dos melhores filmes do século XX. Um delicioso roteiro que conta a história de um empregado dividido entre agradar o chefe emprestando o apartamento para seus encontros amorosos e a paixão que começa a sentir por uma dessas amantes.

* Publicitário, produtor de conteúdo, redator nas horas vagas e nas não vagas também. Vê o cinema como a melhor janela de autoconhecimento e de compreensão do mundo. Editor do site Viviane da Mata e colaborador do blog.

Compartilhe!

Contato

Vamos juntos encontrar soluções para promover transformações organizacionais positivas e os melhores resultados para todos?